Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Watcher Of Dreams

The Watcher Of Dreams

09
Abr18

O meu irmão

C.

Hoje venho-vos falar um bocadinho sobre o meu irmão: genuinamente a melhor pessoa que eu conheço neste mundo. Não por ser o meu irmão, mas porque é a realidade.

Vi o meu irmão realmente chateado uma única vez em quase 25 anos. Apesar da sua paciência infinita, nunca tinha paciência para mim quando era pequenina. Talvez porque eu fui a típica irmã mais nova e muitooooo chata. Lembro-me de chorar muito porque ele fazia tudo com os amigos lá em casa e se eu lhe pedia alguma coisa, ele não deixava. Na realidade, só queria que o meu irmão mais velho gostasse de mim tanto quanto gostava dos amigos. O quão inocentes somos em crianças.

O meu irmão é uma pessoa muito paciente. É um poço infinito de paciência. Fala a toda a gente, sorri a toda a gente e não se chateia por perder tempo com nada. É muito calminho. É perfeccionista. É um óptimo pai. Já veio a correr ter comigo só porque eu pedi. Ele é tão boa pessoa que não se apercebe quando faz as coisas mal, porque não o fez com maldade nenhuma. 

O meu irmão aprendeu a mexer em computadores sozinho. A desmontar, a montar, a encontra a fonte do problema e a resolve-lo. Programar coisas não é com ele, mas o resto, tudo o que possam imaginar, ele é capaz de fazer num computador. E é mesmo bom nisso. Ele não é como eu: ele simplesmente sabe as coisas, eu tenho que estudar para as saber.

Ao contrário de mim, nunca se interessou muito por ir para a faculdade. Mas quando os meus pais lhe disseram que não lhe podia pagar os estudos, ele acabou por deixar de se esforçar para ter boas notas e desorientou-se um bocado. Tal como eu, sempre trabalhou de verão, desde muito novinho. A seguir ao secundário, parou. Ficou, pelo menos, um ano em casa sem trabalho. Fez um curso de informática, onde só foi aprender o que já sabia. Acabou por entrar para a Força Aérea e adorou aquilo.

A especialidade da FA para onde entrou só tinha, em cada concurso, 2/3 vagas para o curso de sargentos. O meu irmão ficou, durante sete anos, em 3º/4º/5º e nunca conseguiu entrar para o curso. Por causa da média do secundário. Ao fim de 7 anos, teve que sair da FA. Esteve quase um ano desempregado e depois entrou para a GNR, onde está agora.

Se o meu irmão fosse mais novo, não fosse casado e não tivesse uma filha, tinha-o trazido para Lisboa comigo quando ele saiu da FA. Porque ele é genuinamente inteligente. A empresa onde estou? Tinha-o metido lá dentro em três tempos e, neste momento, ele estaria a fazer algo que adora e a meter toda a sua especialidade em prática. Antes dele se casar, teve a oportunidade de vir para a minha empresa (há...4 anos atrás). Ele nem tinha que vir para Lisboa. Podia ficar no Alentejo e fazer a vida dele. Ainda não falei com ele sobre isto e não sei se vou falar, porque não o quero deixar triste, mas ele recusou a proposta. E digo-vos que ele recusou a proposta por causa da minha cunhada. Porque enquanto ele teve desempregado, ela não demonstrou disponibilidade nenhuma para mudar de cidade para ele conseguir arranjar emprego. Porque tinha que deixar a família e os amigos para trás. Eu percebo isto. Mas também percebo que o meu irmão, alguém com capacidade extraordinárias, anda a trabalhar em algo que odeia, rodeado por pessoas que não valorizam o esforço que ele fez uma vida inteira, porque recusou o trabalho da vida dele por ela não se querer mudar.

Ele é feliz. Quanto baste. Ele adora a miúda, adora a família. Mas odiar o que faz todos os dias? Fez com que o amor da minha vida perdesse o brilho nos olhos. Ele já nem sorri como antigamente. Raras são as vezes em que o vejo a sorrir com vontade.

Quando falo com ele, ele responde-me que não faz diferença nenhuma ao ser GNR. Quando chega, já aconteceu tudo. Se chega antes de acontecer, os chefes dão-lhe sermões. Fica afogado em papéis para preencher para o tribunal. Agora vai pertencer a uma das brigadas especiais destacadas para os incêndios. Está mais animado, mas foi mais um drama lá em casa porque a minha cunhada não queria ficar sem férias de verão. Desta vez, foi obrigada a ceder.

O meu irmão era uma pessoa com um potencial enorme. Agora é uma pessoa que tem uma família e não pode arriscar ficar, eventualmente, sem ordenado ao fim do mês.

É por ele, que eu choro com saudades da minha família. Porque ele não conseguiu. Então eu estou a conseguir por ele. Pelo suor dos meus pais. Pelo futuro da minha sobrinha. Porque se havia pessoa neste mundo que merecia conseguir era o meu irmão. O meu irmão que é a melhor pessoa que eu conheço. 

Desenganem-se se pensam que odeio a minha cunhada. Gosto muito dela. Mas não gosto do quanto ela o condicionou (e condiciona) e do facto de ele não se ter imposto, enquanto podia, pelo futuro dele. Porque para ela não ficar sem o que tinha, ele ficou sem o que poderia vir a ter. Que era um futuro brilhante.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Free Delivery on all Calendars at the Book Depository