Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Watcher Of Dreams

The Watcher Of Dreams

03
Mar18

...

C.

No trabalho, quando estamos todos a conviver, costumo mandar bocas do género sabem mesmo bem os dias em que trabalho da casa dos meus pais... se a minha mãe não estiver lá. Já me responderam xiii, não digas isso. Sinto que há quem leve mesmo a mal eu dizer isto.

A questão aqui é, e a minha mãe sabe perfeitamente, se eu e ela estamos muitos dias juntas, dá porcaria. Porque eu gosto de estar descansada, no meu canto, sem falar, e ela não. Ela entra no escritório e fica especada a ver o que estou a fazer. Entra-me pela casa de banho a dentro, quando já lhe disse N vezes ao longo dos anos para não o fazer. Chama-me dez vezes para comer, quando eu lhe respondo logo à primeira. Queixa-se de tudo. Se há coisa que não suporto são as queixas. Fala, fala, fala, fala e não faz nada para melhorar a situação. Olá mãe, eu não consigo resolver os problemas do mundo inteiro, obrigada.

O que quer que saia da minha boca, dirigido a quem quer que seja, sai com fundamento. Se eu digo que passo um dia descansada na casa dos meus pais, sem a minha mãe lá, é porque sei o que estou a dizer. E porque ela sabe que eu penso assim.

Eu não sou de dizer nas costas e não dizer na frente. Guardo algum tempo, mas sai sempre.

No outro dia, a minha mãe ia a falar sobre o quanto me vai ajudar quando eu precisar, tal como ajudou o meu irmão. E eu disse-lhe o seguinte:

Mãe, não digas isso, porque sabes que não é verdade. Vocês nunca me ajudam como ajudaram o meu irmão, porque quando chega a minha altura, vocês ou estão doentes de mais para me ajudar ou gastaram o dinheiro todo com ele. Além disso, essa coisa de "ai, não vou pedir dinheiro ao teu irmão porque ele não tem dinheiro e tem uma família para tomar conta" tem que acabar. Eu também tenho contas para pagar, também tenho uma vida para fazer, não tenho que te ouvir a dizer "vê lá não gastes o dinheiro porque a mãe pode precisar". O dinheiro é meu, eu tenho a minha vida, tal como ele tem a dele, não tenho nada que andar a contar os cêntimos para te conseguir ajudar. Tens dois filhos, não é só um que tem que atrasar a vida para te ajudar.

Ela calou-se e ficou-lhe entalado. Não começou a chorar porque não calhou. Fui má? Fui. Mas chega a uma ponto em que não dá. Não dá para os ouvir a dizer que vão fazer tudo por mim e depois a minha mãe não ser capaz de pedir 30€ ao meu irmão e depois a mim pede-me 200€. Não dá. Eu ajudo-os de livre e espontânea vontade, mas ela dizer-me para eu não gastar dinheiro com a minha vida porque ela pode precisar de ajuda? Eu tenho bem noção da realidade, vivo de acordo com ela e ajudo-os sempre que precisam. Mas não aceito que me venham dizer que tenho que reservar o dinheiro para eles. Não é por serem nossos pais que temos que nos sujeitar a coisas destas. 

Tal como eu não tenho que me sujeitar a olhares de lado quando mando alguma boca. Porque eu mandei a boca, mas já falei sobre o assunto com a pessoa com quem devia falar.

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Free Delivery on all Calendars at the Book Depository